Kate & William

Sim, hoje era dia de continuar a sessão de posts sobre o Bridal Fashion Week 2013, mais especificamente a coleção da Carolina Herrera, mas o mundo casamenteiro está muito aquecido! Então, vamos fazer mais uma pequena pausa para falarmos do assunto mais comentado do momento, minha gente! O 1 ano de casamento do Príncipe William e da Duquesa de Cambridge, Catherine Middleton. O casal completou o seu primeiro ano de casado no último domingo, dia 29 de abril, e não é necessário dizer que nos últimos 4 dias essa notícia está no top 10 de muitos jornais, revistas e sites.

O casal não só ganhou as capas e destaques da imprensa, mais uma vez, como também ganhou um presentinho da Mattel: Barbie e Ken versão Kate e Willian no dia do casamento. É para quem pode, não é? Vamos relembrar e ver o que mais é coisa de realeza?

O casamento foi realizado na Abadia de Westminster, em Londres, para 1.900 convidados (poucos se pensarmos nos 3.500 convidados do casamento da Lady Di) com direito à procissão e ao beijo na sacada como manda a tradição. Kate estava linda com um vestido de Sarah Burton, da Alexander McQueen que ditou muitas tendências para o vestido de noiva, como vimos no post sobre as tendências para 2013 apresentadas em Nova Iorque, e uma tiara emprestada da Rainha Elizabeth II.

O que pouco foi divulgado foram as belíssimas palavras do bispo que selou a união. Um ano depois, mas aqui estão elas (primeiro tradução e depois original em inglês):

“’Seja quem Deus o predestinou a ser e incendiarás o mundo’. Assim disse St. Catherine de Siena cujo dia celebramos hoje. Casamento tem a intenção de ser o caminho no qual o homem e a mulher ajudam um ao outro para se tornarem quem Deus predestinou cada um a serseu mais profundo e verdadeiro eu. Muitas pessoas têm medo das perspectivas futuras do nosso mundo mas a mensagem de comemoração neste país e muito além de seu território é a mensagem certa – hoje é um dia feliz! É bom que as pessoas em todos os continentes tenham a possibilidade de compartilhar esta celebração porque este é, como todo dia de casamento deve ser, um dia de esperançaDe certo modo, todo casamento é um casamento real com a noiva e o noivo sendo a rainha e o rei da criação, fazendo uma nova uma vida juntos para que a vida possa fluir através deles rumo ao futuroWilliam e Catherine, vocês escolheram se casar na visão de um Deus generoso que tanto amou o mundo que entrou a si mesmo para nós na pessoa de Jesus Cristo. E no Espírito deste generoso Deus, marido e mulher devem dar a si mesmos uns aos outros. A vida espiritual cresce quando o amor encontra seu centro além de nós mesmos. Relacionamentos fiéis e comprometidos oferecem uma porta ao mistério da vida espiritual na qual nós descobrimos isso; quanto mais doamos de nós mesmos, mais rica fica nossa alma; quanto mais vamos além de nós mesmos no amor, mais nos tornamos o nosso eu real e nossa beleza espiritual é mais plenamente revelada. No casamento estamos procurando trazer um ao outro a uma vida mais completaÉ claro que é muito difícil nos desacostumarmos do nosso egocentrismo. E as pessoas podem sonhar com isso mas para que a esperança possa ser preenchida é necessária uma decisão solene de que, quaisquer que sejam as dificuldades, estejamos comprometidos a caminho do amor generosoVocês dois tomaram sua decisão hoje – ‘SIM’ – e neste novo relacionamento, vocês se alinharam com o que nós acreditamos ser o caminho no qual a vida está espiritualmente evoluindo, e a qual levará para um futuro produtivo para a humanidade. Nós continuamos esperançosamente aguardando por um século cheio de promessas e riscos. Os seres humanos estão enfrentando a questão de como usar sabiamente o poder que nos foi dado pelas descobertas do último século. Nós não devemos nos converter à promessa do futuro por mais conhecimento, mas sim pelo crescimento do amor sábio e reverência, pela vida, pela terra e pelo próximo. Casamento deve transformar, como marido e mulher fazem um ao outro sua obra de arte. É possível transformar desde que nós não acalentemos pretensões de modificar nosso companheiro. Não deve haver coerção se o Espírito está para fluir; cada um deve dar ao outro espaço e liberdade. Chaucer, o poeta Londrino, resume isto em uma simples frase: ‘Quando a possessão vem, o Deus do amor imediatamente bate suas asas e adeus, ele se foi’. Como a realidade de Deus tem desaparecido de tantas vidas no Ocidente, tem havido uma crescente expectativa de que somente as relações pessoais trarão significado e felicidade na vida. Isso carrega nosso companheiro com um grande fardo. Todos somos incompletostodos precisamos do amor que é seguro, ao invés de sufocante, nós precisamos de perdão mútuo para prosperarEnquanto vamos na direção do nosso companheiro no amor, seguindo o exemplo de Jesus Cristo, o Espírito Santo é vivificado dentro de nós e pode preencher cada vez mais nossas vidas com luz. Isto leva a uma vida familiar que oferece as melhores condições em que a próxima geração pode praticar e permutar estas dádivas que podem superar medo e divisão e incubar o mundo futuro do Espírito, cujos frutos são amor e felicidade e paz. Oro para que todos aqui presentes e muitos milhões que estão assistindo a esta cerimônia e compartilhando nossa felicidade hoje, façam todo o possível para suportar e apoiá-los em suas novas vidas. E oro para que Deus os abençoe no caminho da vida que escolheram, o caminho que está expressado na prece que vocês compuseram juntos na preparação para este dia: Deus nosso Pai, agradecemos por nossos familiares, pelo amor que compartilhamos e pela felicidade de nosso casamento. Na correria de cada dia mantenha nossos olhos fixos no que é real e importante na vida e ajude-nos a sermos generosos com nosso tempo e amor e forçaFortalecidos pela nossa união ajude-nos a servir e confortar aqueles que sofrem. Pedimos no Espírito de Jesus Cristo. Amém.”

“’Be who God meant you to be and you will set the world on fire’. So said St Catherine of Siena whose festival day it is today. Marriage is intended to be a way in which man and woman help each other to become what God meant each one to be, their deepest and truest selvesMany are full of fear for the future of the prospects of our world but the message of the celebrations in this country and far beyond its shores is the right one – this is a joyful day! It is good that people in every continent are able to share in these celebrations because this is, as every wedding day should be, a day of hope. In a sense every wedding is a royal wedding with the bride and the groom as king and queen of creation, making a new life together so that life can flow through them into the future. William and Catherine, you have chosen to be married in the sight of a generous God who so loved the world that he gave himself to us in the person of Jesus Christ. And in the Spirit of this generous God, husband and wife are to give themselves to each another. A spiritual life grows as love finds its centre beyond ourselves. Faithful and committed relationships offer a door into the mystery of spiritual life in which we discover this; the more we give of self, the richer we become in soul; the more we go beyond ourselves in love, the more we become our true selves and our spiritual beauty is more fully revealed. In marriage we are seeking to bring one another into fuller life. It is of course very hard to wean ourselves away from self-centredness. And people can dream of doing such a thing but the hope should be fulfilled it is necessary a solemn decision that, whatever the difficulties, we are committed to the way of generous love. You have both made your decision today – “I will” – and by making this new relationship, you have aligned yourselves with what we believe is the way in which life is spiritually evolving, and which will lead to a creative future for the human race. We stand looking forward to a century which is full of promise and full of peril. Human beings are confronting the question of how to use wisely a power that has been given to us through the discoveries of the last century. We shall not be converted to the promise of the future by more knowledge, but rather by an increase of loving wisdom and reverence, for life, for the earth and for one another. Marriage should transform, as husband and wife make one another their work of art. It is possible to transform as long as we do not harbour ambitions to reform our partner. There must be no coercion if the Spirit is to flow; each must give the other space and freedom. Chaucer, the London poet, sums it up in a pithy phrase: ‘Whan maistrie [mastery] comth, the God of Love anon, Beteth his wynges, and farewell, he is gon’ (When mastery comes, the God of Love immediately beats his wings and farewell, he is gone). As the reality of God has faded from so many lives in the West, there has been a corresponding inflation of expectations that personal relations alone will supply meaning and happiness in life. This is to load our partner with too great a burden. We are all incomplete: we all need the love which is secure, rather than oppressive, we need mutual forgiveness, to thrive. As we move towards our partner in love, following the example of Jesus Christ, the Holy Spirit is quickened within us and can increasingly fill our lives with light. This leads to a family life which offers the best conditions in which the next generation can practise and exchange those gifts which can overcome fear and division and incubate the coming world of the Spirit, whose fruits are love and joy and peace. I pray that all of us present and the many millions watching this ceremony and sharing in your joy today, will do everything in our power to support and uphold you in your new life. And I pray that God will bless you in the way of life that you have chosen, that way which is expressed in the prayer that you have composed together in preparation for this day: God our Father, we thank you for our families; for the love that we share and for the joy of our marriage. In the busyness of each day keep our eyes fixed on what is real and important in life and help us to be generous with our time and love and energy. Strengthened by our union help us to serve and comfort those who suffer. We ask this in the Spirit of Jesus Christ. Amen.”

Lindíssimo, não? Acho que a principal mensagem que fica é que o amor forte é o amor companheiro. Disse uma vez minha avó que todo casal deve evitar a primeira briga, já que a partir dessa primeira briga nossa tolerância com as diferenças diminui dando espaço ao nosso egocentrismo. Por isso, caras noivas, além de cada mínimo detalhe que pensamos para o nosso grande dia, vamos manter essa palavra em mente para o pós-festa? Companheirismo, conselho sábio que não vem só de sábios poeta e bispo, mas de uma certa senhora que simplesmente amou e se dedicou a um homem por 70 anos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s